ISCET
Observatório da Solidão

inner-group

Solidão nos limiares da pessoa e da solidariedadeSolidão nos limiares da pessoa e da solidariedadeSolidão nos limiares da pessoa e da solidariedadeSolidão nos limiares da pessoa e da solidariedade

Publicações com o apoio do ISCET

Solidão nos limiares da pessoa e da solidariedade

Edições Afrontamento, 2012

Este livro reúne um importante conjunto de textos relativos a intervenções ocorridas no decurso do Congresso Internacional “A solidão nos limiares da pessoa e da solidariedade: entre os laços e as fracturas sociais” / III Congresso da SOFELP, o qual contou com o apoio da FCT – Fundação para a Ciência e Tecnologia. Optou-se por conservá-los nas línguas em que foram originalmente de modo a permitir ao leitor confrontar-se com a realidade das palavras e das frases utilizadas pelos diferentes autores.

As abordagens, naturalmente diversificadas quanto às suas origens e temáticas, concorrem todas, contudo, para um aprofundamento criticamente fundamentado da problemática da solidão, questão incontornável no âmbito das nossas sociedades enquanto estas são percorridas por novos fenómenos de afirmação das entidades individuais e colectivas, identidades das quais emergem concepções inéditas de comunidade, de sociedade, de liberdade, de responsabilidade e de autonomia.

Concepções a que não é estranha uma renovada consciência da vulnerabilidade humana e de toda a sua envolvente.

 

Solidão e solidariedade: entre os laços e as fracturas sociais

Edições Afrontamento, 2011

A solidão constitui um fenómeno tão sentido quanto temido pela generalidade das pessoas. Tornou-se assim um tabu omnipresente e, como tal, sistematicamente escamoteado no quotidiano das pessoas e dos grupos. A ciência, por seu turno, vai preferindo falar de noções conexas como a de depressão ou a de melancolia. O risco para o senso comum é o de este não valorizar – positiva ou negativamente – uma das dimensões incontornáveis da existência humana; para a ciência, a redução da solidão a um conceito pode, por seu turno, esvaziá-la pura e simplesmente de sentido…

Neste livro, disponibiliza-se ao leitor um importante conjunto de contributos multidisciplinares escritos por especialistas que olharam a solidão a partir das suas formações, das suas culturas e, portanto, de uma forma ou de outra, no espaço e no tempo das suas preocupações e perspectivas.

 

Solidão, educação e condição humana

Edições Afrontamento, 2011

A solidão é com certeza um fenómeno antropológico com impacto universal. Todavia, será um facto que cada cultura a perspectiva de uma maneira própria quer quando as pessoas e os grupos a vivem, quer quando os estudiosos fazem dela um objecto de investigação.

Este livro reúne um importante conjunto de textos em que investigadores de língua portuguesa de várias latitudes reflectem sobre a solidão, muitas vezes relacionando-a com um outro fenómeno que só aparentemente se lhe apõe: a solidariedade. Com efeito, na solidão podemos encontrar os outros; com a solidariedade criamos ou aprofundamos os laços que aos outros nos unem, designadamente aos que experimentam a solidão…

Os trabalhos deste livro espelham a qualidade das pesquisas de uma comunidade que quantas vezes se desconhece a si mesma e, assim, não projecta no mundo a riqueza da sua especificidade, a qual importa pôr ao serviço da humanidade no seu conjunto.

Daí, a grande importância desta obra colectiva que agrupa textos de algumas das conferências e comunicações apresentadas ao III Congresso da SOFELP – Sociedade de Filosofia da Educação de Língua Portuguesa/Congresso Internacional “A solidão nos limiares da pessoa e da solidariedade: entre os laços e as fracturas sociais”. Estes eventos tiveram lugar no Porto: entre 18 e 20 de Maio de 2011, por iniciativa do Gabinete de Filosofia da Educação do Instituto de Filosofia da Universidade do Porto (Research Groups “philosophy of Education and Contemporaneity” e “philosophy of education in the Portuguese-speaking world”) e do CIIIC – Centro de Investigação Interdisciplinar e Intervenção Comunitária do ISCET – Instituto Superior de Ciências Empresariais e do Turismo, com o apoio da FCT – Fundação para a Ciência e Tecnologia.

 

Entrevista ao Professor Adalberto Dias de Carvalho publicada na Revista A página da educação: "A solidão é um estado de alma"

Leia a entrevista: Nº193 | Verão 2011 ! Série II

 

Outros livros

A vida privada de Maxwell Sim

Jonathan Coe

Dom Quixote, 2012

Maxwell Sim bateu no fundo. A sua vida pessoal é um vazio. Ele tem 70 amigos no Facebook mas ninguém com quem falar. Mas tudo muda graças a uma disparatada proposta de trabalho: conduzir um carro carregado de escovas de dentes de Londres até às remotas ilhas Shetland. Um percurso longo que Maxwell decide preencher com uma série de visitas surpreendentes a figuras do seu passado. Acompanhado por "Emma", a voz feminina do seu GPS, com quem estabelece uma peculiar relação, ele não imagina que está a iniciar uma viagem íntima que o mudará para sempre.

In: http://www.dquixote.pt/catalogo/detalhes_produto.php?id=54606, acesso em 16.08.12

 

Alone Together: Why We Expect More from Technology and Less from Each Other

Sherry Turkle

Basic Books, 2012

Consider Facebook—it’s human contact, only easier to engage with and easier to avoid. Developing technology promises closeness. Sometimes it delivers, but much of our modern life leaves us less connected with people and more connected to simulations of them.

In Alone Together, MIT technology and society professor Sherry Turkle explores the power of our new tools and toys to dramatically alter our social lives. It’s a nuanced exploration of what we are looking for—and sacrificing—in a world of electronic companions and social networking tools, and an argument that, despite the hand-waving of today’s self-described prophets of the future, it will be the next generation who will chart the path between isolation and connectivity.

In: http://www.perseusbooksgroup.com/basic/book_detail.jsp?isbn=0465031463, acesso em 16.08.12

 

Jeff, one lonely guy

Jeff Ragsdale

Amazon Publishing, 2012

In October 2011, Jeff Ragsdale, a down-and-out actor and stand-up comedian, posted a flyer around Lower Manhattan, asking people to call him if they wanted to talk. He thought he’d get a dozen calls; instead, he got hundreds, then thousands once pictures of the flyer went viral on the net. They came from all over the country and from as far away as Spain, Saudi Arabia, Iraq, Taiwan, and Australia. Jeff spoke to as many people as he could, answering his phone all day long. Here are the conversations, texts, and voicemails of a particular moment in time—a hilarious, dark, intimate portrait of the way we live now.